2 comentários sobre “Processamento HDR em fotogramas de filmes de catálogo

  1. Paulo parabéns pela matéria. Bem técnica com ótimo embasamento. Mas quero colocar um detalhe importante. Esse aprimoramento do HDR em filmes antigos de catálogo, pode não dar o resultado esperado (se pensarmos nos novíssimos modelos de TV Oled), pois esses painéis (e os próximos que virão) estão evoluindo muito em nitidez e com melhoria consideráveis na fidelidade da imagem original da película. Então o uso do HDR pode “clipar” o nível de vídeo (brilho e contraste), como também haver algum prejuízo na chrominancia (como você disse Paulo, em que o cinéfilo não conseguirá corrigir esse vídeo saturado). Creio que apenas o processo de restauro dos fotogramas (corrigindo perdas de qualidade pelo efeito do tempo), já seriam adequados. Mas não seremos nós que decidiremos isso não é mesmo ? Abração

    • Rogério, mais uma vez muito obrigado pelo comentário.

      Note que, em princípio, as telas HDR estão preparadas para alto nível de contraste, com luminância que excede a 1000 nits. A questão é saber se a aplicação do HDR vai alterar o aspecto visual pretendido pela produção do filme. Análises publicadas são bem vindas, mas mesmo assim eu prefiro ir com cautela.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *