Autopublicação

Palavras não impressas: a ascensão dos e-books

A adesão aos e-books aconteceu porque, entre outros motivos,  já nos acostumamos a ler textos longos nas telas. A autopublicação é um deles.

 

As tecnologias nos trouxeram uma nova dinâmica: a da leitura das palavras não impressas. Nos últimos anos, celulares, tablets e leitores digitais nos brindaram com grandes títulos.

Houve aquecimento na busca por e-books, produto de um mercado que não deixa dúvidas: está em ascensão. E quais foram os motivos? A facilidade de transportar inúmeras obras, a possibilidade de leitura noturna e mesmo os preços mais acessíveis.

A indústria das palavras não impressas

A indústria mudou. A Amazon hoje é um player fortíssimo e distribui incontável número de obras. Algumas livrarias tradicionais, no entanto, viram a sua receita ir para o ralo.

Sem grandes mudanças em suas estratégias de marketing e vendas e mesmo um baixo investimento em novas tecnologias, a Livraria Cultura e a Saraiva são alguns dos exemplos de gigantes do setor de livros que não estão em bom momento. Hoje é muito difícil a recuperação. São empresas que deveriam ter se adaptado mais cedo,  no momento em que os leitores descobriam os livros digitais.

Tais livrarias repetiram um erro que tomou a Blockbuster na primeira década do século XXI: investir em modelos já ultrapassados, quando as novas dinâmicas do mercado batiam à porta.

O mercado da autopublicação

É importante lembrar que a rápida ascensão dos e-books tem relação também com o terreno fértil da autopublicação.

Muitos escritores hoje optam por trabalhar pela autopublicação, pois podem cuidar da preparação da obra e da gestão de marketing e vendas.

Existe uma autonomia por parte do autor, que pode escolher o preço de capa de suas obras, por exemplo, e os países em que serão distribuídos os seus livros.

A dinâmica é rápida e fácil. Tão fácil que basta escrever o livro e registrá-lo em plataformas online. A mais conhecida hoje é a fornecida pela Amazon, também conhecido por Kindle Direct Publishing (KDP).

Após a aprovação pelos moderadores, a obra fica disponível para venda. É bem fácil, não é mesmo? Claro que é preciso desenvolver esforços de divulgação para fazer vender seu livro.

Nos próximos posts vamos falar um pouco mais sobre a autopublicação —  e também sobre a importância de registrar a obra, para evitar o plágio. É uma forma de proteger o seu trabalho caso venha a ser copiado. Muitos autores reclamam deste grande mal. Quem deseja ver a obra sendo roubada por outras pessoas?  Outrolado_

. . .

 

Socorro, alguém copiou o meu trabalho

 

Consultoria em conteúdo

João Gonçalves, jornalista e publicitário. Um apaixonado por literatura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *