A irresponsabilidade das notícias falsas

A irresponsabilidade civil nas notícias falsas

Ao identificar inconsistência em uma informação, não compartilhe. Notícias falsas são manipulações criadas para confundir, não para conhecimento.

 

Se alguma coisa acontece no shopping center, em questão de minutos a cidade toda já sabe. Pelo Twitter, Whatsapp, Facebook ou qualquer outra rede de comunicação, muitas pessoas compartilham o que recebem como verdade absoluta, sem avaliar a informação que acabou de chegar.

Grande parte são fake news, notícias falsas criadas com o objetivo de confundir as pessoas.

Culpa das pessoas? Nem tanto…

Vivemos uma revolução na comunicação que as faculdades de jornalismo não conseguem acompanhar em tempo real e as redações das grandes empresas muito menos.

O X da questão é que hoje todo mundo é jornalista; seja pela queda do diploma imposta pelo Supremo Tribunal de Justiça ou pela revolução digital. Sim, as empresas de tecnologia também têm sua parcela de responsabilidade no caos que ocorre na comunicação.

Os fatos não são mais checados. Com isso muito mal é feito e pessoas são atacadas pela velocidade em que se espalham as fast news. Sim, esse é o nome para as informações que correm mais rápido que a velocidade da luz, mas sem que uma análise fria seja feita.

Um triste caso de fast news

Talvez você seja novo para saber sobre o caso Escola Base, de 1994. É tema de aula em universidades de jornalismo porque é um case sobre a necessidade de análise das fontes e a responsabilidade da comunicação.

Na ocasião, uma criança de quatro anos relatou algo que aos pais seria um suposto abuso sexual que teria sofrido por uma professora e o motorista da escola. O caso chegou à imprensa e os grandes veículos —  Globo, Estadão, Folha e Veja — deram bastante destaque.

A opinião pública tomou aquilo como verdade e houve atos de revolta e depredação, o que acabou com a escola e marcou a vida dos acusados.

As investigações apontaram que as denúncias eram falsas e nada foi constatado. Era tarde, a vida dos envolvidos já estava prejudicada. Mais tarde eles processaram veículos de comunicação e algumas indenizações foram conquistadas.

Esse caso é objeto de estudo nas aulas de direito, em psicologia e ciências sociais, dentro dos temas calúnia, difamação, injúria e danos morais.

Mas o que você tem com isso?

Com um celular na mão, todo mundo virou produtor de conteúdo. Existe uma responsabilidade civil quando se compartilha uma informação falsa (fake news) acreditando apenas que está colaborando para que mais uma fast news chegue a outras pessoas.

Informações urgentes, como deveriam ser as fast news, são transmitidas pelo rádio há anos. A TV também tenta acompanhar a velocidade da comunicação, mas a necessidade de imagens faz com que ela perca alguns casos de velocidade da informação.

A internet, em muitos casos terra de ninguém, colabora para a difusão das fast news, pelo uso de aplicativos de comunicação, redes sociais, fóruns e outros meios.

Desta forma tivemos casos como Fabíola, o apedrejamento de Fabiane no Guarujá por suposto sequestro de crianças (jamais provado) e o vazamento de inúmeras fotos íntimas de diversas pessoas Brasil afora.

Esses casos acima são apenas uma pequena amostra da responsabilidade civil que as pessoas precisam ter quanto ao relato e transmissão de informações de forma indevida que ocorrem todos os dias por meio da internet.

Em tempo, o crime cometido por populares contra Fabiane motivou um pedido feito pelo deputado Ricardo Izar para criação de uma lei para endurecer as punições para quem propaga notícias falsas.

“Quem fofoca para você irá fofocar sobre você.” Provérbio espanhol

Faça uma reflexão antes de compartilhar um conteúdo:

  • Isso é realmente útil?
  • Vai ajudar a vida do próximo?
  • Tenho certeza de todos os acontecimentos?
  • Eu consegui falar com alguém envolvido ou só observei externamente?
  • É possível que estejam me manipulando?

Ao identificar inconsistência nas informações, não deixe ela seguir. Você não está contribuindo para o conhecimento do outro ao compartilhar notícias falsas, ao contrário, apenas está deixando essa pessoa ainda mais confusa.

Essa responsabilidade civil é minha, é sua, é de todos aqueles que usam a internet.

Encerro aqui essa breve história com um pequena citação daquele que foi eleito o Maior Brasileiro de Todos os Tempos, o mineiro Chico Xavier.

“Devemos efetuar campanhas de silêncio contra as chamadas fofocas, cultivando orações e pensamentos caridosos e otimistas, em favor da nossa união e da nossa paz, em geral.” Outrolado_

 

Leia também:

 

Uma câmera na mão e uma ideia na cabeça, ou será o contrário?

Alugo banco de dados para usos escusos nas eleições

 

Mayk Souza é jornalista com experiência em marketing digital e fã de esportes. Atual editor do blog Menina Joga - www.meninajoga.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *