Ser profissional de UX

Para quem quer ser profissional de UX mas não vem de design

O que é preciso conhecer para ser profissional de UX? E que habilidades dominar? Ou ainda, há ferramentas de software de uso obrigatório?

 

Trabalhar com User Experiência é sempre uma opção para jornalistas e escritores. No passado muitos partiram para a arquitetura da informação, que hoje desemboca no mesmo lugar.

Convivendo com o Daniel Souza, diretor de criação e profissional de UX, com que tive o prazer de trabalhar em diferentes projetos, aprendi que manter uma visão objetiva e crítica é uma necessidade. E esta é uma qualidade muito marcante nele.

Daniel, o @danielsouza, escreveu um artigo onde indica 5 livros para quem quer mudar a carreira.

O problema para um jornalista ou escritor é que o profissional de UX geralmente vem de uma formação em design. Quem não é designer – por formação ou por prática – e se interessa por UX sente que falta alguma coisa.

E o que seria esta coisa? Segundo ele, seria mais ou menos o “modo de pensar” de um designer, as ideias e conceitos essenciais de usabilidade, arquitetura de informação, conteúdo e comportamento humano.

Os livros são estes, um resumo de cada livro está no post dele. Ele sugere a leitura nesta ordem:

 

  • Não me faça pensar – Steve Krug
  • O Design do dia-a-dia – Donald Norman
  • A Pratical Guide to Information Architecture – Donna Spencer
  • Estratégia de Conteúdo para Web – Kristina Halvorson
  • Mental Models – Indi Young

 

Tá, mas tem que saber Photoshop?

Não ria, mas é a pergunta que muitos não designers fazem. Por acaso recebi hoje um artigo de uma headhunter, pessoa que faz seleção de candidatos a vagas em UX e UI,justamente sobre este assunto. Então vou reproduzir aqui o artigo da Marina Brandão, headhunter da Yoctoo, experiente no recrutamento e seleção para as áreas técnicas.

Em resumo, pelo que ela diz, a resposta é: tem que saber Photoshop sim. Mas depende.  🙂

Veja você mesmo o que diz a Marina.

 

UX e UI: o novo jeito de fidelizar o cliente

Por Marina Brandão

O cliente é sempre o centro de qualquer empresa. Em um mundo onde as transformações acontecem pelas pessoas e para as pessoas, toda a jornada de contato da marca com seus clientes precisa ser pensada, mensurada e aprimorada constantemente. Nesse sentido, os profissionais de UX (Experiência do Usuário) e UI (Interface do Usuário) têm se tornado peças indissociáveis para atração e fidelização de clientes.

O UX tem como prioridade entender o que o cliente/usuário necessita para planejar sua experiência de contato com a marca. A profissão nasceu com as transformações digitais e com o rápido crescimento do mercado de smartphones. No entanto, hoje as aplicações do cargo servem para vários nichos de mercado. Em linhas gerais, esse profissional é responsável por toda experiência, seja ela física ou digital, que o usuário terá ao ter contato com um produto, sistema ou serviço. Por estar baseado em experiências, esse profissional lida com o intangível.

Para desempenhar suas funções, o UX dedica-se a estudar, planejar e prototipar (desenhar modelos físicos e/ou palpáveis) para realizar testes e pesquisas com usuários. Além de acompanhar todas essas etapas de interação – cliente com produto/serviço – ele também é responsável por identificar falhas, criar soluções e testar essa experiência oferecida com o objetivo de gerar mais satisfação aos clientes e, consequentemente, uma maior taxa de fidelização. Essa, por sua vez, impulsiona o crescimento, gera mais economia e resultado, fortalecendo a construção da marca.

Já o profissional de UI, cuida da interação em si e trabalha para garantir as plataformas de contato. Ou seja, ele está mais preocupado com os canais, ambientes e meios de contato. Esse profissional é responsável pela criação desses ambientes, elaboração de interfaces ergonômicas e alinhadas às estratégias da empresa. Ele desenvolve desde o projeto visual até o desenvolvimento das plataformas, caso essas sejam parte do escopo. Essa é uma profissão front end, ou seja, ela dá vida a aquilo que é perceptível visualmente para o usuário e, por isso, lida com aspectos mais tangíveis da interação.

 

O que o profissional de UX precisa saber

Design, negócios e tecnologia – o profissional de UX está do lado do negócio e defende o usuário ao mesmo tempo. Por @Eric Flowers.

 

Historicamente, o UI tem objetivo prático, levando em consideração não só o usuário, mas também a capacidade de resposta do produto/serviço e seu desempenho em ser um bom canal com os clientes. Enquanto isso, o UX sustenta o foco em garantir uma boa experiência e satisfação dos clientes, aspectos difíceis de serem mensurados.

Atualmente, o mercado entende as duas profissões como sendo complementares para o desenvolvimento de produtos e serviços. Afinal, para garantir uma boa experiência ao usuário é fundamental que a interface/canal de relacionamento funcione de maneira eficaz e que agregue elementos para garantir a satisfação final. E de uma coisa ninguém duvida, clientes satisfeitos, que têm suas expectativas supridas e superadas, são clientes fiéis.

Apesar das duas carreiras dedicarem-se a desenvolver o relacionamento com o cliente e observarem as mesmas oportunidades de crescimento, elas necessitam de competências diferentes. Entre as aptidões que o especialista UX deve ter estão criatividade para propor soluções, habilidade para contar histórias, excelente comunicação, capacidade de conduzir entrevistas e testes, além de interesse por análise comportamental.

Os interessados em UI precisam desenvolver competências mais técnicas voltadas para a qualidade gráfica das interfaces. O pleno domínio das ferramentas e programas de edição, como Adobe Muse, Photoshop, InDesign, React e Illustrator, que auxiliam no desenvolvimento de protótipos e wireframes (esboços de produtos e sites), são competências imprescindíveis a esses profissionais.

Como pode perceber, independentemente de qual das duas funções o profissional vá exercer, está claro que compreender, testar e fidelizar os clientes são as prioridades desses novos profissionais que desenham a nossa experiência dentro das diversas plataformas digitais.

. . .

Siga este caminho

Pelo que entendi, está traçado o caminho. Quem quiser se preparar para prestar serviços ao mercado como profissional de UX e UI tem pela frente a leitura dos livros que o Daniel indicou e a visão do mercado, nas palavras da headhunter Marina Brandão.

E, claro, deve procurar um curso para dominar e desmistificar essas ferramentas que os redatores veem de longe como um burro olhando para o palácio.

. . .

Mais uma detalhe: como todo especialista, o profissional de UX também lida com uma visão simplista do mercado em relação à sua atividade. Mas isso é coisa que os redatores, editores e UX writers estão mais do que acostumados.

 

O que o profissional de UX precisa saber

O que o profissional de UX precisa saber – e o que o mercado pensa que ele faz apenas. Por @Eric Flowers

 

Outrolado_

 

 

Briefing, você me faz sofrer

O outro lado do avesso

 

Socorro, alguém copiou o meu trabalho

Vicente Tardin é editor, jornalista, gestor de conteúdo e consultor para projetos online. Foi o criador dos sites WebWorld (1997) e Webinsider (2000).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *