Todo cuidado é pouco com as chaves de instalação ESD do Windows

Comprar uma chave ESD para instalação do Windows 10 pode acabar se tornando uma experiência desagradável — a falta de pesquisa e a ausência de informação de quem vende devem servir de sinal de alerta para quem compra.

 

Recentemente, eu passei um aperto enorme, com despesas altas e transtornos diversos, para recuperar o computador desktop do meu filho mais novo. Depois de tudo sanado, com o hardware praticamente quase todo novo, eu esbarro em um problema inusitado: a ativação do Windows foi recusada!

O que aconteceu é que a antiga chave havia emperrado, e por coincidência o meu filho perdeu o recibo de compra do Windows 8 (arrghhh…), o que lhe impediu de solicitar uma chave nova. A chave antiga do Windows 8 ainda me permitiu ativar o Windows mas com a última mudança radical de hardware a chave ficou inutilizada. Conversando com o suporte técnico da Microsoft, que algumas vezes não funciona, eu fui instruído a zerar a máquina, instalar desde o Windows 7 até chegar ao 10, mas nada disso resolveu.

Foi quando eu idiotamente resolvi tentar uma chave eletrônica do tipo ESD (Electronic Software Distribution), que supostamente, em tese, resolve tudo isso de uma maneira muito simples, principalmente quando o usuário já tem o Windows instalado. O usuário compra a chave ESD e a aplica no ambiente ou na nova instalação, tudo muito simples. Seria, se não fosse o seguinte problema:

Nem toda chave ESD comprada no comércio é legítima! E, no caso, a maior dificuldade de quem compra é não saber a priori com que chave se está tratando! Isto acontece tanto aqui quanto lá fora:

 

 

Ora, a chave oficial da loja da Microsoft gira em torno de 1000 reais para o Windows 10 Pro, e acima de 700 reais para versão Home. Em função disso, eu resolvi comprar uma chave ESD de uma revenda on-line brasileira.

Para depois receber um e-mail do vendedor, sem nota fiscal (deve ter sido de propósito), alertando sobre a possibilidade de que a chave pudesse não ativar o Windows, e a seguir o caminho para desbloqueá-la. Achei aquilo muito estranho, mas fui à luta. Infelizmente, nada disso funcionou e eu fiquei com uma chave parecendo inválida nas mãos.

Liguei imediatamente para a Microsoft, contei o problema, e o rapaz do suporte me relatou com detalhes como chaves de licença coletiva, como a minha, vão parar nas mãos das revendas. A seguir, me sugere pedir a troca ou o dinheiro de volta. Então, eu entro em contato com a revenda por chat, mas o atendente ficou de voltar com uma solução, que nunca apareceu. Não precisava me dizer mais nada, eu pedi o dinheiro de volta e aí então que nem resposta tive.

Bem feito para mim, que devia ter pesquisado o assunto antes. Se o tivesse feito, teria achado um imenso relatório investigativo publicado no site Baboo, mostrando como o usuário é iludido com chaves falsas. Na lista dos enganadores estava o site onde eu comprei a minha chave. E o mais importante daquela matéria é chamar a atenção de quem compra que os vendedores se aliam a sites parceiros (Amazon, Americanas, Submarino), os quais não se responsabilizam para este tipo de venda.

A minha sorte é que eu paguei a chave através do PagSeguro. Este é um serviço semelhante ao PayPal. O cliente, ao se sentir lesado, pode fazer uma reclamação através do que se chama “iniciar uma disputa”. Eu nunca tinha entrado numa “disputa”, mas era o caminho certo. A sugestão me foi dada pelo suporte do site, e foi o que eu fiz.

Depois uns 10 dias, o vendedor não deu resposta. Eu passei a ter direito a uma moderação: um representante do PagSeguro entra em contato com quem vende e cobra uma resposta, e depois de um dado período toma uma decisão a favor de uma das partes. No caso, tomou a decisão a meu favor. Se o vendedor deu alguma satisfação do que estava fazendo ou insistiu em algum argumento de mau uso, eu nunca soube, porque o moderador não informa, e a partir de um certo ponto, uma vez tudo resolvido, pouco importa o que foi dito!

O resultado deste prejuízo foi eu ter comprado a chave direto na Microsoft, ao preço que me pediram. O preço é extorsivo, mas o pessoal de lá fez questão de me dar horas de assistência pelo telefone, após o pagamento ser feito e a chave enviada imediatamente e não muito tempo depois como na revenda que me vendeu anteriormente.

Notem a diferença: uma vez paga, eu não precisei ficar esperando a chave ser enviada, em primeiro lugar. Segundo, eu já havia instalado o Windows 10 Pro, mas acabei comprando a versão Home, recomendada por eles acertadamente, e a minha ligação foi repassada ao setor técnico, que com uma paciência de Jó, fez questão de fazer a instalação do Windows 10 Home no meu lugar, com a permissão de acesso remoto, e sem precisar desinstalar a versão Pro, que ele me disse não ser necessária. Eu disse ao técnico que eu mesmo podia fazer isso, iria zerar a máquina de novo, mas ele fez questão de fazer tudo no meu lugar.

De fato, através do acesso remoto, o técnico fez o computador do meu filho baixar o Windows 10 Home, 64 bits, e depois reinstalar o sistema. O técnico me avisou que eu iria perder o que já estava instalado, mas quando eu disse que a minha única preocupação era o Office (eu tenho 3 licenças), ele fez a ativação sem eu precisar resolver isso ligando de novo para lá.

As lições que ninguém gosta de aprender, dentro do possível

Depois de horas, estava tudo resolvido, a chave da Microsoft custa caro, mas é garantida como vitalícia!

Eu passei a notar a vulnerabilidade de qualquer um diante do imponderável. É possível que revendas honestas vendam chaves ESD legítimas, mas se o preço é muito mais baixo do que a revenda oficial da Microsoft, é bom e recomendável ligar o sinal mental de alerta!

A matéria do Baboo mostra alguns aspectos que eu há havia percebido, referente ao número enorme de sites isolados e “parceiros” dos sites como Amazon, Americanas e dezenas de outros, nos quais essas chaves são vendidas, sem nenhum escrutínio a respeito da legitimidade do produto. Quando se lê na lista de comentários compradores reclamando que a chave não funciona, não se nota resposta do site dizendo que a compra seria desfeita. E ademais, se compradores reclamam a mesma coisa, não seria o caso do vendedor ser denunciado e banido da lista de “parceiros”?

Chaves de licença coletiva são afanadas por empresas e distribuídas a revendas que nada têm de associação direta com a Microsoft. Quando acontece que uma dada chave é vendida mais de uma vez o sistema de ativação é automaticamente bloqueado no servidor da Microsoft. E aí o usuário final fica momentaneamente no limbo.

Além disso, uma chave comprada em uma revenda não autorizada pode funcionar por algum tempo, e depois inativada on-line quando o usuário recebe algum tipo de atualização, sem ele usuário saber o que está acontecendo, ou seja é um martírio a médio ou longo prazo.

Aqui em casa todos aprendemos uma dura lição, como sempre. A do meu filho, que devia tomar cuidado com determinados recibos jogados fora, e a minha de ter sido afoito de não pesquisar mais a fundo antes de fazer a compra de uma chave ESD. Lições aprendidas, vamos ver até quanto duram…  Outrolado_

. . .

 

Computador desktop com drives SSD

 

Aperfeiçoamento operacional na memória cache

Paulo Roberto Elias é professor e pesquisador em ciências da saúde, Mestre em Ciência (M.Sc.) pelo Departamento de Bioquímica, do Instituto de Química da UFRJ, e Ph.D. em Bioquímica, pela Cardiff University, no Reino Unido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *