Covid-19

Somos Cem Esperanças

Agora podemos tirar da pauta temas como o jacaré, a gripezinha e as piadas sem graça com a saúde das pessoas.

 

A leitura do título do artigo causa uma dubiedade aparente, um certo jogo de palavras, mas é proposital. Para evitar desvios para algum debate linguístico prematuro, vou elucidar a questão logo de início: apresento uma alusão aos mais de 100 vacinados no domingo, que agora participam do mapa da vacinação nacional. O faço, como um direcionado contraponto aos “sem esperança”. O plural deixa claro de que lado estou nesse jogo de palavras: o da esperança.

Infelizmente não foi simples chegarmos até aqui, pois além de enfrentarmos a pandemia desde março de 2020, ainda convivemos com os sem esperança, que trabalham com alguns ingredientes que afetam o nosso psicológico: a desinformação, a mentira, o negacionismo e algumas vezes até os ataques pessoais. Estes últimos nos causam mais dor, pois algumas vezes vêm de pessoas com as quais cultivamos amizade e carinho.

Quero falar de esperança e torná-la maior que o passo inicial conquistado no primeiro dia de vacinação de domingo – um dia de muitas Mônicas. Agora podemos tirar da pauta temas como o jacaré, a gripezinha, as piadas sem graça com a saúde das pessoas. Que tal mudarmos essa pauta para a cura, a pesquisa, a vida, a vacinação e a esperança? Que tal em vez de resgatarmos o gabinete do ódio, apresentarmos a meta de vacinação para todos(as) os(as) brasileiros(as)?

Sim, nosso país entrou no mapa da vacinação. Chegamos atrasados e sabemos que os “sem esperança”, os negacionistas ajudaram a nos empurrar para o final da fila. Um dos motivos mais simples para explicar é que não se trabalha por aquilo que não se acredita. Trata-se de algo muito óbvio!! A questão central é que dirigentes não podem (e não podem mesmo) trabalhar somente com base nas suas convicções pessoais.

Um ex-ministro da saúde disse essa frase no primeiro dia da vacinação: “uma coisa é o que acredito que seja o melhor caminho, as minhas convicções pessoais, outra é tomar a decisão como um gestor público”. Uma frase emblemática, pela importância de pensar no coletivo, e didática, pois demonstra que as convicções pessoais muitas vezes se submetem aos limites impostos para realização de uma Política Pública.

E que tal contaminarmos as pessoas com esperança? Que tal torná-la um uníssono para cobrarmos por mais vacinas, por um plano de vacinação mais abrangente, pela produção da vacina em território nacional e pelo apoio aos nossos pesquisadores?

Sim, a esperança tem um tom conciliador, de algo que precisamos para acelerar as campanhas em todo território nacional. E o melhor da esperança é que ela nos coloca mais perto de uma saída, de uma cura, e poderemos deixar os negacionistas no lugar de onde não deveriam ter saído: da escuridão da caverna (sem ódio por favor, pois trata-se de um termo filosófico e Platão poderá explicar melhor).

A minha esperança segue o mesmo caminho dos mais de cem vacinados no domingo – dessas nossas “cem esperanças” -, e pela garantia da chegada da vacinação para todos(as) brasileiros(as). Outrolado_

. . .

 

Fortaleça o sistema imune contra o Coronavírus

190 mil e subindo…

Uma sociedade desmassificada e distribuída é possível?

 

O falso fenômeno da Uberização

Corinto Meffe é escritor, poeta e articulista.

3 comentários sobre “Somos Cem Esperanças

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *